FAVORITISMO GRITANTE, OPTIMISMO IRRITANTE

Independentemente das cores que defendemos no dia-a-dia, agora é hora de nos unirmos em torno de um só desígnio

Nervos em franja, coração a mil, terço na mão. Esta é daquelas semanas em que o país pára. Penduram-se bandeiras na varanda, convocam-se os mais próximos, sintoniza-se a televisão e entoa-se o hino nacional. Os olhos de dez milhões de portugueses estão postos em quem representa o nosso país no estrangeiro - amiúde com sucesso, outras vezes falhando. Independentemente das cores que defendemos no dia-a-dia, agora é hora de nos unirmos em torno de um só desígnio. Vamos lá, só é preciso acreditar: António Costa será Presidente do Conselho Europeu. Siiiiiiiiiim!

Tal como acontece com a seleção comandada por Roberto Martinez, há uma enorme dose de expectativas quanto à ascensão a Presidente do Conselho Europeu do antigo primeiro-ministro português. Neste momento, o país está, de forma consentânea com a personalidade do nosso candidato, irritantemente optimista. Por isso mesmo, sofreremos um rude golpe se Costa acabar por ser eliminado nos quartos - do poder. Mário Centeno era o Cristiano Ronaldo das finanças, seria muitíssimo desolador se António Costa se tornasse no Fábio Paim da tecnocracia.

Antes de um desafio desta envergadura, é importante que o atleta esteja numa redoma, longe dos holofotes e das polémicas. Não foi isso que aconteceu. Em vez de ir para um centro de alto rendimento político nos arredores de Bruxelas, Costa decidiu fazer o estágio no novo canal Now. Por outro lado, se um cargo na Europa for o cabo dos trabalhos, Costa já sabe que tem trabalho no cabo.

Na verdade, Costa, como qualquer atleta antes das grandes decisões, nem devia ler jornais. Procedendo assim, teria evitado ler que Vítor Escária, seu ex-chefe de gabinete, não se lembrava que tinha 75 800 euros na estante. Se acabar por ser constituído arguido, Costa terá de alegar que não se lembrava que tinha Vítor Escária no gabinete.

Como se vê, apesar de ser António Costa ser dado como favorito pela imprensa, é muito pouco sensato encomendar já as faixas de campeão. À semelhança do que ocasionalmente ocorre com algumas jovens promessas do futebol, António Costa tem uma relação aberta com uma influencer. Apesar de aparentemente não existir nada que os una, o término da ligação nunca foi oficializado. Sendo assim, o alto nível que a Europa exige pode fazer com que os adeptos do socialista português cedam à pressão e acabem a cantar por outro jogador - um que apareça menos nas revistas por maus motivos.

2024-06-18T07:05:31Z dg43tfdfdgfd